VISÃO SISTÊMICA, A CULTURA E O NOVO NORMAL NOS NEGÓCIOS
de 12.11 à 10.12.20

A transformação digital já dá sinais positivos no mundo e para as empresas, contribuindo na criação de novos modelos de negócio. Mas, nem tudo tem sido flores, a transformação digital exige que as empresas, principalmente as de grande porte, evolucionem sua cultura organizacional e inovem sua estrutura e seus processos internos.

Manter as mesmas práticas e os mesmos processos engessados e tradicionais prejudica o desenvolvimento e impede que grandes empresas se preparem para o futuro.

Não dá para avançar no futuro se temos a mesma cultura organizacional, certo?

Segundo Dario neto, Diretor Geral do Instituto Capitalismo Consciente Brasil, “a humanização dos negócios deixou de ser agenda do RH ou de agumas empresas ambicionando um ou outro prêmio para atrair e reter talentos. Já temos ciência e evidências suficientes para provar que a humanização precisa ser caminho de toda e qualquer empresa nos próximos anos. Tempos atrás, por que era o correto e aquilo de que o planeta e a sociedade precisavam; hoje acredito, é porque as empresas que não caminharem com estratégias nessa direção serão extintas do mercado.”

Ainda segundo Dario, “a nova economia pede um olhar mais humano e humanizado de todo o board e de seus executivos. É a hora de o RH virar o centro da discussão de negócios.”

Reconhecer cenários, tendências futuras, identificar movimentos de impacto no modelo de negócio e tomar consciência dos elementos da cultura que alavancam ou sabotam as transformações é o diferencial estratégico para as organizações.

Conteúdos

  • Os Sub-Sistemas Organizacionais
  • Dinâmica e Impactos
  • Cultura Organizacional
  • Desmistifanco o Conceito
  • Novo Normal nos Negócios
    • Capitalismo Consciente
    • Empresas Humanizadas
  • Conectando a Cultura com a Estratégia
  • Dimensões visíveis e invisíveis
  • Cultura Organizacional e Sub-Culturas
  • Conectando a Cultura à Mudança Organizacional – Leitura de Ambiente
  • Modelo de Cultura – OCAI – Cameron e Quinn
  • Diagnóstico Organizacional – Cultura Atual e Desejada
  • Apresentação de Casos – brMalls e Stoller

 

Este curso foi pensado para pessoas que atuam em ambientes em constante evolução, incertos e com algum risco e que buscam: primeiro entender a realidade e em seguida, esperam dominar algum framework ou “uma caixa de ferramentas” para a construção de organizações mais resilientes, plásticas e inovadoras.

Se você está em uma organização que enfrenta problemas ou dilemas complexos ​​ou se você é um consultor que procura princípios da complexidade na prática, esse é o programa certo para você.

 

Gilberto Shinyashiki

Graduado em Psicologia pela Universidade Metodista de São Paulo (1976), mestrado (1995) e doutorado (2000) em Administração pela FEA-Universidade de São Paulo. Visiting Sudent na ESSEC (1990-1991) e Visiting Fulbright Scholar na The Wharton School (1997-1997).

Foi Diretor de Recursos Humanos da Universidade de São Paulo (1999-2002). Desde 1994 é professor doutor da Universidade de São Paulo.

Tem experiência na área de Administração de Recursos Humanos, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão de recursos humanos, liderança, comprometimento, cultura organizacional e socialização.

Marco Ornellas

Marco Ornellas consultor que há quase três décadas dissemina conhecimentos e reflexões para instigar companhias e profissionais de Recursos Humanos a se reinventarem frente aos desafios, dilemas e oportunidades em um mundo cada vez mais complexo.

Psicólogo, Mestre em Biologia-Cultural no Chile, Coach e Design Thinking, além de um estudioso em Complexidade.

Autor dos livros: DesigneRHs para um novo mundo e Uma nova (des)ordem organizacional.

Graziela Merlina

Além de conselheira do ICCB, Graziela é co-autora do livro “Fundamentos do Capitalismo Consciente”. Empreendedora inquieta e apaixonada por educação, é fundadora da APOENA, líder da operação Brasil do FreshBiz Game e Team Coach, com vivências diversificadas em desenvolvimento de equipes e negócios. Mestre em Comportamento Organizacional e graduada em Engenharia de Produção, ocupou cargos de liderança em organizações multinacionais na área de Supply Chain e Operações. É também entusiasta do uso de gamification em processos de desenvolvimento e aprendizagem.

Pedro Paro

Pedro Paro é CEO e cofundador da Humanizadas. Coautor do livro Empreendedorismo Consciente. Pesquisador do Grupo de Gestão de Mudanças da Universidade de São Paulo (EESC/USP) e idealizador da Pesquisa Empresas Humanizadas do Brasil. Diretor de Educação do Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB). Sua intenção profissional é apresentar um novo rumo para o futuros dos negócios, onde tenhamos organizações mais conscientes, humanas, éticas, sustentáveis e inovadoras.

Bianca Bastos - Case brMalls

Chief Human Resources da brMalls

Luciana Provazi - Case Stoller

Specialist in Human and Organizational Development e HR Manager na Stoller